quinta-feira, 14 de abril de 2011

Andando na cidade e embelezando o mundo!


O Blog Fato apresenta a trajetória da Manicure Maria Jorcilene da Silva Pereira, a Joice, manicure que semeia dignidade e está de bem com a vida. Aos 41 anos, mãe solteira e trabalhadora, percorre vários bairros trabalhando como manicure, mas que não deixa ser vencida pelas dificuldades, acreditando sempre em Deus e na sua perseverança

Almir Moreira
Da Editoria Personagens

Ela acorda todos os dias às seis horas da manhã, percorre os bairros Água Fria, Cidade dos Funcionários, Edson Queiroz e já chegou até a ir em Messejana, voltando às oito horas da noite para casa. Joice, como a chamam, trabalha há 27 anos como manicure, depiladora e atende suas clientes nas suas próprias residências.

Para chegar até seus locais de trabalho no começo, a manicure trabalhava a pé, e brinca: “Eu ia a pé para as casas e ainda de sombrinha, que chique”. Agora Joice usa uma segunda bicicleta Caloi, paga em prestações, já que primeira que tinha fora roubada quando estava trabalhando. A dificuldade de Joice em andar de bicicleta são os motoristas e os ladrões: “O ladrão é porque já me roubaram, os motoristas é porque não respeitam as pessoas que estão na bicicleta, às vezes eu me pergunto: Valha-me Deus! Eu ainda estou ainda na terra?”

Autonomia - Uma mulher de traços fortes, morena, de olhos arregalados e muito religiosa. Joice sorri bastante e sempre está de bom humor. Para ela o trabalho é uma terapia. No começo da carreira, trabalhava em salões de beleza, e ri quando diz que não aguentava nem um mês nos salões. Era um trabalho árduo, existia falsidade, e ganhava pouco já que dividia o dinheiro com o dono do salão: “Hoje eu trabalho pra mim. Vou ao Centro, compro os esmaltes bem baratinhos e não divido o meu dinheiro com ninguém, ganho 12 reais, pé e mão, é uma benção”, relata a manicure, que agradece a Deus pela possibilidade de trabalhar.

Joice tem um filho de 10 anos, do seu primeiro namoro. O pai, segundo Joice, sempre foi ausente e não ajuda no sustento do filho: “Eu trabalho para sustentar meu filho e para ajudar meus pais. Eles que cuidam do Gabriel enquanto eu trabalho”. Além de Gabriel, Joice mora com uma irmã, um irmão, o pai e a mãe em uma casa de dois cômodos.


Histórias- Nos finais de semana, a jovem frequenta cultos religiosos com o filho, apesar de trabalhar aos sábados à tarde, deixando poucos dias para descansar e sair com o Gabriel. Por trabalhar em muitas casas, Joice também conhece muitas histórias, uma delas, a mais triste, foi a de três irmãs, onde duas delas, suas freguesas, morreram de câncer decorrido do uso de cigarro: “Eu tinha três freguesas, uma delas morava aqui em Fortaleza, as outras duas passavam férias na casa da irmã e me chamavam para fazer suas unhas. Conversando com a irmã mais velha, a Lúcia, de 60 anos, descobri que a “Lucinha” e a Luana morreram de câncer. Foi muito triste, as duas eram animadas, de bem com a vida, não sei por que isso aconteceu com elas. É o cigarro”, ressalta a manicure, com os olhos cheios de lágrimas e com ar de saudade.

Joice enfrenta o calor e o sol de Fortaleza. Em plena duas horas da tarde, ela percorre vários bairros em sua bicicleta antiga, com sua mochila, boné, óculos escuros, um blusão e muito protetor solar. Apesar de tantos problemas, a manicure é um exemplo a se seguir. Sorrindo sempre, Joice conquista suas clientes e sempre põe os papos em dia, conhece várias histórias e conta a sua vida difícil. Joice mora no Tancredo Neves e pretende sair de lá por conta das drogas e o medo do filho se envolver com más companhias.

Ela finaliza a entrevista rindo e diz: “Eu vou ser famosa Dona Tina, olha que chique”, relata a manicure, com um sorriso terminando o seu trabalho.

3 comentários:

camille disse...

Ameeei, um exemplo a ser seguido e o texto ficou ótimo!

Felipe Lucena disse...

Nossa, muito incrível a história. O texto está show. A parte da Lúcia é bastante tocante.

Miqueias disse...

Incrível como na correria do dia a dia nem percebemos o quanto estamos rodeados por personagens bacanas como Jorcilene. Parabéns pela matéria =)